quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Acredito na Bíblia


É interessante como a maioria das pessoas não acredita de jeito nenhum na Palavra de Deus, escrita na Bíblia. O cara fica irritado, briga e quer matar quem argumenta, em qualquer assunto, citando as Escrituras. “É inadmissível! É loucura!”, retruca o incrédulo que, invariavelmente tem uma predisposição a acreditar em mau olhado, sorte e azar, numerologia, signos do zodíaco, horóscopo chinês, dieta da luz dentre outras coisas.

Daqui a pouco uma porrada de gente vai cair de pau em cima de mim, por estar defendendo a Bíblia. “Quem prova que isto é a Palavra de Deus? Ele desceu do céu com caneta e papel e escreveu algum livro? Não, ela foi escrita por homens assim como eu e você!”, assim dirão. A mesma ladainha, o mesmo bordão de sempre de quem acredita que usar uma roupa nova, branca e entrar no mar de costas vai fazer o ano novo ser próspero.

Tem gente que antes de tomar uma dose de cachaça, derrama um pouco no chão, levanta o copo em reverência dizendo que “esta é para o santo!”. Um folclorismo etílico bem humorado, baseado numa crendice popular, numa entidade espiritual que incentiva e “abençoa” o alcoólatra devoto. Que santo, hein?!

Este mesmo bebedor abomina e não aceita o segundo mandamento bíblico que diz: “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás...”. Este homem é capaz até de meter a peia em quem for lhe falar “tal absurdo”.

Alguns bons amigos meus creem piamente em seres extraterrestres, de inteligência superior a do ser humano, crença esta baseada em textos e pesquisas de renomados doutores no assunto como Erich Von Däniken, autor do famoso livro Eram os deuses astronautas?, que eu li e gostei demais . Eu também acredito que Deus criou o homem a partir do barro o que faz meus amigos se acabarem de rir e me ridicularizarem.

Milhares de mexicanos e outro tanto de gente no resto do planeta se preparam para o fim do mundo amanhã (21 de dezembro de 2012). São religiosos, cientistas, céticos, ignorantes, enfim uma gama enorme de crentes na profecia Maia. Bem, eu também acredito no catastrófico fim do mundo, na extinção da vida na terra, na ressurreição e na vida eterna, como diz a Bíblia. Muitos outros acreditam também, mas a grande maioria despreza tais “tolices”.

Eu não sou dono da verdade, não estou aqui impondo minha crença, mas é verdade que a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada é odiada pela grande maioria da humanidade. De tão contraditória e exata ao mesmo tempo, não há como negar seu poder divino, porque ela desmascara o homem, nos despe e impõe a verdade dentro da nossa consciência porque Deus nos deu o livre arbítrio. Ou seja: no fundo a gente sabe o que é o que é das coisas.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Poema daqueles dias de noite


Difícil dizer como foi naquele dia
que entrou pela noite
até amanhecer novo dia de novo.

Foi bom até quanto pôde ter ido
então passou a não mais ser tão bom
e ter vindo a ser, mas foi indo

Tinha aquela que me cutucava,
e eu bebia na sua taça.
Me embebedei de seu licor

Tinha aquela outra que só olhava
Mas que não olhava só pra mim
Eu olhava e achava graça

Aí veio uma falta de ar na névoa
E eu bebi relva que escorria
pelos cotovelos da que me beijava

E comi até seus cabelos, com sal
E também inalei seu aroma de jasmim
Mas não cansei não daquela dor

Quando pensei que o dia lá estava
Que era de manhã naquela madrugada
Que na verdade era tarde pra mim

Tinha aquela outra de boca fechada
Mas, quando as lágrimas escorriam
Era quem mais ria e eu gargalhava

E o dia ía se acabando mesmo assim
Vindo a noite, pelas estrelas do céu
e sombreando o sol que se aposentava

Mas quando achei que ía dormir
tinha também aquela vestida de lua
Olhos não fechavam, nem boca fechava

Ela que somente nua se apresentava
Aquela que tinha a pele bronzeada
E a cabeça decorada por um chapéu

E também ele estava ardendo febril
E ali aonde ele estava, naquele lugar
Bem ali, onde sem calor a gente sua

Foram muitas noites e dias sem fim
Que por vezes me esqueço deles
Que outras vezes os guardo em mim.

Onde você vai passar o fim do mundo?


                                       
 

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Descobrindo palavras

Quando eu achava que sabia descrever imagens que tinha visto in loco, em filmes, fotografias ou obras de arte, eu não sabia realmente o que via, até que te vi. E foi assim como um novo abrir d’olhos. Meu olhar renovou-se, como a visão de um recém-nascido, a quem é dada a luz de um novo mundo.

E saído da escuridão que estava vi essa luz cintilante. Essa luz que vem de você. E

stou tentando te descrever, maravilhado como um navegante que encontra o que buscava em mares desconhecidos. Como um aprendiz de escriba de cartas, tento explicar e narrar o que foi e o que é ter te visto, assim tão desconcertantemente sem palavras, cheio de emoções que não consigo descrever.

Busco por muito mais palavras que não sei dizer, por não conhecê-las e que, talvez nem sequer existam. Talvez, em algum momento, sem esforço, sem pretensão, suavemente eu possa encontrar ou inventar tais palavras que descrevam fielmente o que senti e sinto ao olhar e não parar mais de olhar para você.

Opinião dos palmeirenses


terça-feira, 20 de novembro de 2012


MAIS UM CAMPEÃO DE AUDIÊNCIA

No julgamento do Bruno (aquele idiota, ex-goleiro do Flamengo que, juntamente com seus asseclas, igualmente imbecis, achando-se todo poderoso resolveu dar fim a uma de suas inúmeras periguetes), um levante de criaturas escrotas, midiáticas, atraídas pelas luzes destes tempos tenebrosos, fazendo barulho, levantando faixas, borbulham diante das câmeras sensacionalistas como a cobertura imunda de um fedorento pudim de merda.

De súbito espoca, por entre microfones, gravadores e câmeras de televisão uma dessas bolhas fétidas. Um boquirroto causídico placebo atira, feito pipoca a pombos, gaguejos e confusos fraseados desconexos à revoada faminta de abutres da imprensa. Advoga como acusador, em favor da vítima, cujo assassínio, à luz da Lei, não pode ser confirmado devido o corpo da pobre coitada “Maria-chuteira” não ter sido encontrado (sem vida) ainda.

Surge uma mulher que chora um estranho choro que não lacrimeja. Mulher de passado um tanto quanto obscuro (segundo a Imprensa teria abandonado a filha recém-nascida), detentora da guarda do milionário fruto do relacionamento do jogador com a periguete ergue-se como avó e mãe sofrida em busca de justiça. Os telejornais do horário nobre e os programas matutinos tornam-se expositores da excrescência humana.

Mais uma vez segundo a Imprensa, mais precisamente na fala de Ana Paula Padrão, apresentadora do Jornal da Record, o extremamente bem remunerado detento Bruno teria ganhado nos últimos dois anos cerca de dez milhões de reais, caso não estivesse em cana. Como goleiro do clube carioca, quando era ídolo da maior torcida do mundo, o colega do imperador Adriano recebia um ordenado de duzentos mil reais por mês.

Um maximbecil, ansioso pelos seus segundos de aparição midiática se “pregou” a uma cruz de gravetos e se posicionou na frente do fórum, digo, dos fleches. O pseudo ativista, já é figurinha carimbada nas capas e editorias da imprensa marrom e nas mídias eletrônicas. Não pode haver um julgamento de crime famoso, como os da menina Isabella Nardoni e da jovem Eloá Pimenta que esse palhaço aparece pra fazer a mesma presepada.

Uma manifestação feminista, mais oportunista do que verdadeira, contando com uma meia dúzia de gatos pingados também busca o foco dos fotógrafos e cinegrafistas de plantão, diante do fórum de Contagem, Minas Gerais, onde acontece o julgamento que promete ser um dos mais badalados e rentáveis da história da mídia brasileira.

Se haverá justiça ou não, pouco importa. O que vale mesmo é a exposição do degredo dos seres humanos e os inúmeros pontos de audiência. Os patrocinadores agradecem e querem mais, muito mais.

Meu grande amigo Antônio di Alcântara se foi para sempre. Ficam suas milhares de fotografias que, espero sejam reunidas em uma grande exposição em homenagem a esse sensacional artista acreano (apesar de ter nascido em Salvador, na Bahia). Ficam também a saudade e as lembranças de suas histórias e aventuras hilariantes.
Beijo, amigo Antônio, que viva eternamente com Deus!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Criaturinhas de Deus

Eles são apenas gente humana

Não são organizados como são as formigas
Eles são humanos, não são insetos
Não sabem sequer se estão certos
Essas pessoas são por si e entre si inimigas

Inda acham que isto é bacana.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

DEMO cracia

De repente, a turba ignara invade o bar. Eles vieram, assim, de supetão. Por mais que soubéssemos que aquilo haveria de acontecer, aquilo estava acontecendo naquela hora que a gente não esperava. E vieram sem que eu achasse mesmo que viriam. Era uma gente sedenta. Eles queriam mostrar que estavam lá, que eram grandes, que eram extremamente fortes. Era o povo. Um povo lindo, pintado para a festa, para a guerra.

Estarrecido, contemplei. Admiti que eu não poderia falar coisa alguma. Eu só podia mesmo era observar aquela invasão popular. Nunca tinha ouvido a gargalhada do meu amigo Charles Bahia, como ouvi naquele momento grandioso. Eles compraram e beberam dele muitas cervejas, doses de cachaça e até refrescos. Não vi ninguém bebendo água, mas acredito que algum deles bebeu água e até levou ou surrupiou um pacotinho de batata chip.

Reconheci algumas pessoas que nem mesmo acreditam naquela proposta e outros que a defendem com unhas e chapas e carros e cargos. Há nestes brasileiros, amor, vontade, desejo, esperança. Vi e me emocionei com sua garra e alegria de expressar sua liberdade de expressão. Um monte de gente. Tinha homens e mulheres, algumas delas, com crianças e crianças sozinhas também.

Aquilo foi assustador no primeiro momento. Levantei-me da minha cadeira, receoso de que esbarrassem em minha mesa e derrubassem meu copo e a garrafa de cerveja que eu bebia tranquilamente, antes de sua invasão. Passou até a minha vontade de “defenestrar um micto”. Gritos, urros e apitos irritantes, próprios de quem quer impor presença, em todos os sentidos me obrigaram a parar a conversa com o cliente que, via internet, tratava de negócios.

Gente com a mais pura vontade de vencer. Custe o que custar, doa a quem doer. Os pagantes tinham relógios e grossas correntes de ouro. Bonés com marcas famosas. Botas, bocas e dentes. Palavras violentas de “ordem”. Ordem, na verdade, não houve em momento algum. Falavam em números de votos. Falavam não, gritavam! Berravam e irritavam quem não estava nem aí para a sua ideologia.

E eles se foram. Porém, depois de alguns minutos voltaram. E vieram como vitoriosos, berrando loucamente, ameaçavam tocar fogo na praça, para mostrar seu domínio abstrato. Dominaram o outrora tranquilo Bar Charles Bahia. Assim, como se eu fosse posse deles, me reprimi. Me coçava, sofria. Tentava escrever este texto enquanto tentava anular minha audição ao som de buzinas e jingles tão ruins, feito bexigas espocando no meu ouvido.

Essa gente, o povo se deixa embebedar, gargalha sem ter dentes, chora e briga por promessas e crenças num porvir bem melhor. Eles ficam roucos e se acotovelam e se desentendem com quem, outrora amigo, irmão, camarada ousa discordar das fanfarras de quem, naquele átimo lhes dá de beber da água que só passarinho bobo bebe. Ali, mais uma vez, presenciei de corpo, alma e espanto o funcionar da maquiavélica massa de manobra.

Bêbados e toscos dissiparam-se. Foram-se definitivamente deixando um rastro de guerra. Marcas de chinelos e gotas de saliva no assoalho. Baganas de cigarros e um zumbido na minha cabeça. Etereamente seu intuito foi atingido, seu desejo foi realizado. Tiveram seu momento de falsa alegria. Foram dormir na utopia de que a partir de agora suas vidas irão melhorar. Que Deus os mantenha assim, lá no sonho de onde não deveriam ter saído.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

O primeiro homem na lua

Reza a lenda que a mãe de Neil Armstrong, morto no mês passado, teria dado à luz a seu filho-herói, dentro de um avião. Naquele momento fatídico, com uma mulher sentido as dores de parto, sobrevoando espaço aéreo internacional amigo (Em época de Segunda Guerra Mundial, isto era impressindível), o piloto teve que fazer um pouso de emergência em território brasileiro, mais especificamente no Aeroporto Internacional Pinto Martins, de Fortaleza, capital do Ceará e alí, pariu o primeiro homem que pisaria na lua. Num sei, só sei que foi assim!

Seio da família

MATEI MINHA MÃE
de susto quando

QUEBREI MEU PAI
no argumento e

CORTEI MEU IRMÃO
da sociedade

ODIEI MEU AVÔ
dizer que eu

FODI A FAMILIA TODA
no negócio

MINHA TIA É PUTA
com essa estória

Comi minha prima...

Sério mesmo!

Cenários



Vocês tão mesmo é a fim de fazer o mal né, meninos?! Doidos pra matar. Não querem dinheiro não. Não querem porra nenhuma da gente. Vocês querem é ver gente “morto”! Ter sangue nas mãos, né meninas? Sangue da gente espichando, salpicando nas paredes, escorrendo pelo chão. Tu não quer ver a cor do meu dinheiro não, né, menino?! Tu quer ver  mesmo é a cor da tua mão, vermelha, pintada com meu sangue né, verme!?

Cacete! Filhinho inocente de uma prostituta, desgraçado nessa vida maldita, criatura escapada de um aborto, feitura de um estupro demoníaco, diabo encarnado em ser humano... Um menino!... Um merdinhazim... A porra de um merda de um menino, com uma porra de um revólver de merda... Maldito! Maldito revólver desgraçado! Filho da puta, desgraçado! Maldito momento, desgraçado. Que maldito menino, desgraçado de uma porra!

Eu te dei uma pedrada na cabeça, com toda minha força. Me lembrei, ainda agorinha, da tua cara de medo, de terror. De dor. Humpf! Nem liguei se tu tava me pedindo desculpas. Eu lá queria saber se tu tinha jogado a bola, com toda força, na minha cabeça, de propósito ou não... Eu vi o teu olhar!... Eu vi que tu não quis ter me dado aquela bolada na cabeça! Mas, foda-se! Quem manda num andar com a turma!

Maldito filho de uma puta! Tu quer mesmo é me matar, né desgraçado do inferno? Pega, leva meu relógio, meu filho! Vai embora daqui, pelo amor de Deus! Não mexe com a minha família! Eu te imploro! Eu te dou o que tu quiser! Pega. Vai embora daqui... Vai... Vai se lascar... Pega no meu e balança, filho de uma égua. Leva a mim, deixa ela! Não tem negócio não! Atira, seu merda! Aqui! Aqui, ó! Foi mal, cara... Diga lá! Dibôa?

A gente era colega, quando era ainda estudante. Sei lá... Eu nunca pensei num negócio desse, sabe?! Porra... O cara era legal pra caralho, entende? Como é que pode, né não?! Mas, assim... Cada qual do seu jeito, né?! A vida leva a gente pelo caminho que ela quiser. Quer dizer: Cada um vai no seu caminho, né assim? Né não? É essa nova geração brasileira que, sem educação, com munição, sem noção... Aqui, acolá, se cruza.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

AGORA

Enquanto escrevo e volto para reescrever meus erros gráficos, linguisticos, datilográficos, simplórios, estúpidos, familiares, ridículos, sem conserto, desgraçados, criticáveis, desconcertantes, diabólicos, abomináveis, desagradáveis, initendíveis, sem nexos, escrotos, detestáveis, bíblicos, abomináveis, fedorentos, impraticáveis, indesenháveis, impronunciáveis, cheios de dolo e vomitáveis...

Alguém...
mais sabido do que eu...
Sabe lá...
deve estar lendo isso agora

terça-feira, 17 de julho de 2012

Revista Gráfica

Visite o blog do Miran, cara que por 12 anos consecutivos, desde 1983, publicou a Revista trimestral GRÁFICA. Premiada internacionalmente, se tornou nesse período a cartilha dos designers, fotógrafos, ilustradores e cartunistas brasileiros, um importante canal de intercâmbio entre os trabalhos realizados no Brasil e no exterior, misturando iniciantes com gente consagrada. Eu tinha uma bela coleção com os primeiros 10 volumes, que alguém gostou muito e levou para si, sem que eu permitisse.
Espero que este apreciador do que é dos outros se lasque.
Bem... depois desse desabafo, algumas capas da Gráfica. 





sexta-feira, 1 de junho de 2012

Jardim Gramacho




Foto: Fernando Souza / Agência O Dia

Pessoas que não têm mais nada na vida, sem emprego, sem casa, sem roupa, sem comida, sem dentes e sem voz tem é que ir pro lixo.
No lixo encontram uma forma de sobreviver, longe do perfume da sociedade catando ali seu alimento, sua educação, sua dignidade. Ali eles encontram muitas coisas preciosas.
Dali eles desenterram suas casas, descobrem seus amores e fazem brotar seus filhos. Encontram livros e material pra escola deles, seus filhos, e tiram eles de lá. E fincam o pé lá.


Agora, o pobre humano, ajoelhado e de cara enterrada no lixo tem motivo pra continuar. Eles amam o lixo que lhes sustenta.


 - Agora sim, temos algo que ninguém mais quer.

- É nosso!
 - “U-urru! O lixão é nosso! U-urru! O lixão é nosso!


Ledo engano.


Malditos olhos gananciosos, de quem já tem tudo, faz tudo, inclusive todo esse entulho de coisas que não queriam mais olham e querem, e tomam o que, agora, lhes parecer valioso, ao que "podre" nenhum não tem direito algum.


Aquilo dali é dos donos dos olhos grandes e ambiciosos, munidos de ordem judicial e de projeto ambiental e de vontade e poder pra fazer o que quiser. 


 - Sai "podre"! Sai de cima do meu aterro!
 - Xô urubu!


Fora do aterro ou dentro do aterro, pobre só tem direito mesmo é de morrer e feder.


Saiba mais sobre o aterro do Jardim Gramacho aqui no jornal O Dia

terça-feira, 29 de maio de 2012

Coceira


Ai, que angústia infinita de mim se apossa!
Pra que passe, peço a Deus de mãos postas
Tal é o indesejável lugar que, nas costas
Longe do dedo hirto, só bem ali é que coça

Para se coçar tal coceira de difícil acesso
A gente tem que dobrar para trás o braço
Por vezes roçar pelas paredes o espinhaço
Ou se munir de engenhocas nesse processo

Eu costumo usar uma escovinha de cabelo
Mas me valho, às vezes, além dum graveto,
De uma caneta, uma régua e até um espeto
O que der pra fazer pra coçar, vou fazê-lo

Mas é deprimente e irritante esta coceira!
Porque ela só surge onde não chega unha?
Que só sossega na fina ponta de uma cunha
Que persiste e perdura por uma vida inteira

Me armo de arame amarrado com elástico
Antena de rádio, quina de porta, vassoura
Me coço até com perigosa ponta de tesoura
E uma haste com uma mãozinha de plástico

Quando sinto que Deus ouviu minha prece
Me espreguiço, bocejo, relaxo, me recosto
Querendo me entregar ao que mais gosto
Adivinha o quê, de repente me acontece?

Depois de tudo que fiz pras costas coçar
Tenho que de novo sair de cima da cama
A velha angústia mais uma vez me chama
Numa vontade arrebatadora de ir mijar.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Fazendo filme

Mais uma foto do making off de Amor em Pedaços, curta metragem dos alunos do curso de Cinema da Usina de Arte, em Rio Branco Acre.

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Aranhas voadoras

Em abril de 2007, o fotógrafo argentino Christian Gaona, de passeio pela Montanha de São Bernardo, na Província de Salta, se deu conta que o terreno pelo qual caminhava estava forrado de aranhas. Quando olhou para cima, percebeu que elas, na verdade, estavam caindo do céu. A foto acima é de autoria de Christian e, embora a razão de estar chovendo aranhas ainda seja um mistério, mas a teoria mais aceita é de que os bichinhos, que são bem leves, foram transportados por um tornado.

Leia mais em Tecmundo

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Tô doido pra ver

Espetáculo Frida Kahlo estreia em Rio Branco



JAIDESSON PERES

Estreia no dia 16 de maio, no Teatro Plácido de Castro, o espetáculo Frida Kahlo. O projeto foi aprovado pela Lei Rouanet e recebeu o Prêmio de Teatro Miryan Muniz, da Fundação Nacional de Artes (Funarte). A montagem é uma produção da Companhia Garotas Marotas e do Grupo Teatro de Los Andes- uma inédita parceria entre o teatro do Acre e o da Bolívia – e recebe o patrocínio da Recol Veículos.

A Garotas Marotas é uma recente companhia formada por duas acreanas, as atrizes e produtoras Clarisse Baptista e Marineide Maia. Da Bolívia, o Grupo Teatro de Los Andes, um dos grupos mais importantes da América Latina. Além dos produtores, a equipe conta com o trabalho de outros brasileiros: os mineiros Juarez Dias, na dramaturgia, e Ed Andrade, na cenografia, além do carioca Rodrigo Cohen, que assina o figurino.


A interpretação é de Clarisse Baptista e Antonio Santoro, jovem ator italiano. Segundo a produtora Marineide Maia, “esse feliz encontro, de pessoas diferentes e de lugares tão distantes, é o resultado de muitos outros encontros anteriores, ocorridos em festivais, oficinas e trabalhos diversos”. “Todos se reunindo em torno da ideia de falar de uma mulher extraordinária, a pintora mexicana Frida Kahlo”, destaca.


Desde julho do ano passado, os grupos se encontram em períodos intensivos de trabalho, para poder conciliar as agendas de todos. O Teatro de Los Andes, sediado em Yotala, na Bolívia, é o responsável pela encenação, direção musical, direção geral e cenografia. Seus integrantes, Giampaolo Nalli, Alice Guimarães, Gonzalo Callejas e Lucas Achirico, estão em Rio Branco preparando o espetáculo, que fica em cartaz até junho na capital acriana e deve excursionar por outras cidades do Brasil ainda em 2012.

* Clarisse Baptista é uma grande atriz acriana, de quem sou fã. Faz por aí, uns cinco anos que me falou de seu projeto Frida. Veja como é difícil e demorado realizar arte de qualidade no Brasil. Tenho certeza absoluta de que será um grande sucesso. Meu aplauso antecipado para minha amiga Clarrise.
                                                                                                                                                       FRANCISCO BRAGA, jornalista

quinta-feira, 26 de abril de 2012

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Procura-se

Tô procurando futuros candidatos para as próximas eleições. Interessados, enviar currículos para análise.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Fim dos templos

Que conversa é essa, numa hora dessas?!

Gente. Nós não já fomos às urnas, não votamos, não demos nossa opinião?! Ou não? Eu num vou mais não. Se houver outra "consulta pública, obrigatória, antidemocrática, ad eternum", eu mermo num vou não. Vou é porra que eu vou! Vou é curtir o feriado, depois pago a multa por não ter querido ser feito de idiota mais uma vez.

terça-feira, 20 de março de 2012

Me ajudem!

Eu só preciso da ajuda de 700 mil pessoas, para depositarem apenas um real na minha conta. Só isso. Mas num é pra levar pra igreja nenhuma, não! Igreja nenhuma! É pra depositar direto na minha conta, tá? Senão eu choro!

quinta-feira, 15 de março de 2012

Química


Só quero que saiba que eu gostei muito de você.
Quando te encontrei e tive você para mim, te achei apetitosa.
Imaginei que você mudaria, eu sabia que você mudaria.
No íntimo, dentro de mim eu sabia.
Todo o mundo me falou que você era volúvel e que tudo aquilo era passageiro, mas eu queria sentir com meus próprios olhos e nariz e boca.
Você mudou demais.
Mudou muito.
Meu Deus!
Como você se transmutou em tão pouco tempo?
Você me transformou enquanto se modificava.
Eu fui te consumindo e você entrou em mim deliciosamente, aí eu caí de boca em seu sabor.
Me entorpeci enquanto te comia e te bebia vorazmente.
Envelheci, gaguejei, me desequilibrei...
E quando caí... ainda agorinha...
Vejo que você continua aqui, comigo.
Mas não é mais você.
Você se transfigurou em lástima, baba, choro e mau cheiro.
Achei que era uma boa companhia e te eternizei na minha vida.
E a minha vida passou por mim em volta de você.
Porque?
Porque?

Então...
Calou-se e desmaiou o bêbado sobre seu vômito.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Algumas verdades sobre o álcool



Texto enviado pelo professor de Língua Portuguesa, sinuca e porrinha, Márcio Chocorosqui.



1- O USO CONTÍNUO DO ÁLCOOL PODE LEVAR AO USO DE DROGAS MAIS PESADAS?

Não, o álcool é a mais pesada das drogas, apenas uma garrafa de cerveja pesa cerca de 900 gramas.


2- A CERVEJA CAUSA DEPENDÊNCIA PSICOLÓGICA?


Não. 89,7% dos psicólogos e psicanalistas entrevistados afirmam que preferem whisky.


3- MULHERES GRÁVIDAS PODEM BEBER SEM RISCO?


im. Está provado que nas blitz da polícia, eles nunca pedem pra fazer o teste nas gestantes… E quando elas tem que andar em linha reta, os guardas acham que ela está torta pelo peso da barriga.

4- CERVEJA PODE DIMINUIR OS REFLEXOS DOS MOTORISTAS?

Não. Uma experiência foi feita com mais de 500 motoristas: foi dada uma caixa de cerveja para cada um e, em seguida, colocaram um por um diante de um espelho. Em nenhum dos casos, os reflexos foram alterados.


5- EXISTE ALGUMA RELAÇÃO ENTRE BEBIDA E ENVELHECIMENTO?

Sim. A bebida envelhece muito rápido. Para se ter uma idéia, se você deixar a cerveja aberta em cima da mesa por muito tempo sem um acondicionamento especial, ela deixa de ser saborosa em aproximadamente quinze minutos.


6- A CERVEJA ATRAPALHA NO RENDIMENTO ESCOLAR?


Não, pelo contrário. Alguns donos de faculdade estão aumentando suas rendas com a venda de cerveja nas proximidades com bares universitários.


7- BEBIDA MATA?

Sim. Anos atrás, soube-se que um rapaz, ao passear pelas ruas, foi atingidopor uma caixa de cerveja que caiu de um caminhão, levando-o à morte instantânea. Além disso, casos de infarto do miocárdio em idosos têm sido associados às propagandas de cervejas com modelos gostosas.


8- O QUE FAZ COM QUE A BEBIDA CHEGUE AOS ADOLESCENTES?


Inúmeras pesquisas vêm sendo feitas por laboratórios de renome. Todas indicam que em primeiro lugar estaria o garçom.


9- A CERVEJA CAUSA DIMINUIÇÃO DA MEMÓRIA?

Que eu me lembre não!

quinta-feira, 1 de março de 2012

Nova charge do Braga

Atendendo a milhares e milhares de pedidos (só da Golby Pullig), eu publico uma charge e aproveito para lançar meu novo personagem, o Benezim. Ele é revisor e copydesk de redação de jornal, mas, apesar de ser muito competente, tem dois sérios problemas: vê mal e escuta pior ainda.

 

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Soniei

Tocou-me

Depois eu fui dormir
O teu beijo me acalentou
Enquanto eu sonhava
Com o próximo dia de sorte

Ontem foi tão rápido
O amanhã está atrasado
E o pior de tudo
É que não te verei hoje

Tu lembras de tudo?
Teu olhar me sequestrou
Ainda não pediu resgate
O que vais fazer comigo?

Não esqueço o teu sorriso
Nem o mistério
Que pairava sobre ele
Isto realmente me confundiu

Tua pele me faz delirar
Viajo no dopping do teu toque
Tu tens mágica nos dedos
Tocou-me, cativou-me

Teus cabelos tão travessos
Não me permitiram
A plenitude dos teus lábios
Entrepuseram-se no beijo

Hoje, quando fores dormir
Peço-te, Sonia!
Tô nem aí...
Sonha! Vem!