quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Márcio Chocorosqui escreve


Só para ser politicamente incorreto
Márcio Chocorosqui*

Alguém faz uma proposta instigante ao modesto escriba:
— Por que não escrever algo politicamente incorreto?
— O quê, por exemplo?
— Talvez um texto que defenda o consumo do cigarro ou algo do tipo.
Então foi plantada uma semente. Eis que nasceu este pé de fumo, que não recomendo seja cultivado. Vejamos:
O cigarro traz grandes benefícios para a economia de um país. Gera milhares de empregos nas fábricas e plantações do tabaco, arrecada muito em impostos e, por mais estranho que pareça, ajuda a economizar na área de saúde. Pois a morte antecipada de fumantes propicia ao governo a redução de gastos com idosos e com o sistema de pensão e da previdência social.
Significa que o cigarro contribui para diminuir o número de pessoas que dão despesa na saúde pública, porque, muitas delas, se fumam, morrem antes do tempo. Com menos gente para cuidar, sobremodo na velhice, mais economia para os cofres públicos. Por outro lado, há de se destacar as vantagens que o fumo proporciona ao indivíduo. Entre as principais, estão os efeitos terapêuticos e psicológicos do tabaco: serve para acalmar os nervos, reduzindo o estresse e a ansiedade; ajuda a pensar melhor, aumentando a capacidade de concentração; consola nas horas de sofrimento, funcionando como um paliativo para as dores do espírito.
E não é somente isso. O cigarro emagrece, à medida que colabora para a diminuição gradual do paladar, tirando um tanto do sabor dos alimentos. Por isso, quando alguém para de fumar, tende a aumentar de peso. Além de contribuir para o controle da obesidade, um sério problema contemporâneo, o cigarro não embriaga, como o álcool. Se, ao invés de ingerir algumas cervejas, o indivíduo fumar uma carteira de cigarro e for dirigir seu automóvel, normalmente estará isento do risco de causar um grave acidente de trânsito. Já um bêbado...
Outra coisa: fumar é elegante. Existe uma satisfação estética na ação do fumante em tragar e soltar a fumaça com charme. Algumas formas de manifestação da arte exploram esse lado estético do tabagismo. O cinema é um exemplo sempre lembrado. O filme Casablanca, de Michael Curtiz, é uma citação clássica. Já na música, cita-se a ópera Carmen, de Bizet. Na literatura, os poemas de Mallarmé, entre outros. Lembro-me desses versos de “Vagabundo”, escrito por Álvares de Azevedo:

Eu durmo e vivo ao sol como um cigano,
Fumando meu cigarro vaporoso;
Nas noites de verão namoro estrelas;
Sou pobre, sou mendigo e sou ditoso!

Nessa estrofe, nota-se a expressão do personagem completamente despojado, que vive ao léu, livre das convenções sociais. No caso, o cigarro está associado à transgressão. E sempre foi ligado também a lutas de liberação sexual e política. Como se tudo isso não bastasse, fumar é legal. Ou seja, o cigarro é vendido livremente a qualquer pessoa, maior de idade, que queira consumi-lo. E não existe mais propaganda da indústria do tabaco. Trata-se de uma questão de escolha individual, de livre-arbítrio. O fumante sabe que o fumo é prejudicial à saúde. Se escolhe fumar, está por sua própria conta e risco.
A propósito, é interessante a conclusão do autor de Cigarros são sublimes, Richard Klein, crítico literário americano: “a própria vida é uma doença progressiva da qual só nos recuperamos postumamente. Se ter saúde é estar livre da doença, só se consegue ser saudável por meio da morte”. Eis aí: apenas algumas palavras filosóficas para encerrar o assunto.

*Professor de Língua Portuguesa, cineasta e um grande jogador de sinuca

3 comentários:

Silvio Margarido disse...

para ser incorreto basta escrever...para ser politicamente, basta não escrever...e fume até morrer. polua o ar com o CO2 que eles tem aos milhões...vamos toodos morrer politicamente corretos?

Helena disse...

Fiquei aqui me perguntando..será que esse cara fuma ou não?
Mas faz mesmo sentido.Parece que não dá pra imaginar algumas pessoas e algumas situações sem o cigarrinho do lado.
Quem já fumou sabe bem como é isso tudo.Eu até acho que seria legal se pudessemos mesmo fumar só por livre-arbítrio.Daí a gente fumava onde queria, na hora que queria, sem precisar incomodar ninguém, sem desepero.
Mas infelizmente, fumar acaba virando uma doença, e o pior de tudo é que a pessoa perde o seu bem mais precioso que é a liberdade.Ela não fuma mais porque quer , mas porque necessita, seu cérebro, seu corpo inquietos precisam. Alguns minutos sem fumar e adeus efeito calmante!
Uma das coisas mais gostosas de deixar de ser fumante, é reconquistar esta liberdade! "Não tem preço"

Eliane Sinhasique disse...

Que texto maravilhoso!
Que bela defesa do cigarro!
Penso que fumando ou não fumando o destino de todos é um só: a morte.
Portanto, fumar ou não fumar deve ser uma decisão livre de cada indivíduo.
Prefiro morrer fumando do que de bala perdida ou acidente de carro.
E aí Márcio? Vc fuma???