terça-feira, 23 de outubro de 2007

A tora

Membros do Greenpeace passaram por maus bocados esta semana, ao tentarem sair com uma tora de castanheira que fora derrubada por madeireiros no interior do Pará. O intuito do famoso grupo ambientalista, de usar a tora de 13 metros de comprimento em exposições no sudeste do país, para denunciar a derrubada ilegal na Amazônia foi inviabilizado pelos "donos" da árvore gigante. Cerca de trezentas pessoas, armadas até os dentes cercaram e mantiveram os ativitas em cárcere privado por dois dias. Leia aqui e mais

2 comentários:

Idésio Luis Franke disse...

Realmente, o sudeste do Pará é uma terra sem-lei. Madeireiros, pecuaristas, grileiros, junto com os poíticos locais tomam conta e vão desmatando tudo que encontram pela frente, à revelia da Lei. Só há um remédio para tudo isso. Aumentar o efetivo dos órgãos públicos federais na região (IBAMA, Polícia Federal, Exército, Incra, Delegacia Federal do Trabalho, FUNAI, etc.)

Cartunista Braga disse...

Como diz no Acre, o pau torou no lombo dos meninos do Greenpeace.