segunda-feira, 28 de julho de 2008

Nova hora da Poronga

Bole, remexe, sacoleja, adianta relógio, atrasa ponteiro... Mas o acreano se adapta, sempre dá um jeito de caminhar nessa estrada seringueira.

Não temos água!

E o posto de combustíveis em Rio Branco-Acre, que tem uma puta boate cinco estrelas no telhado? Ouviu falar, não? Marrapaiz, tá bombando! Lá vende de um tudo. Gasolina, gás butano, fósforos, isqueiros, cigarros, etanol, querosene, whisky, cachaça... enfim, uma variedade enorme de coisa que pega fogo. Água, não! Água lá, só se for com gás.

terça-feira, 15 de julho de 2008

Tõe Klemer, mui amigo!

Antonio Klemer é o que está de pé

Meu chapa Antônio Klemer, humorista do Show do Tom, da TV Record, soube que fui assaltado "isturdia", em Rio Branco e lá do Rio de Janeiro escreveu esse manifesto muito engraçado publicado no site do Sinjac. Brigado Klemer, mui amigo.

Pochete também é notícia

Antônio Klemer*

Jornalista é bicho metido a besta, mas há uns mais azarados do que outros. A maioria, no entanto, é gente criativa e bem humorada, a não ser- lógico! – no Dia do Pagamento. Ainda assim, esse é o único profissional que ri das próprias mazelas, que se abre dos seus erros.
Não dá pra rir de um erro médico, por exemplo. Do jornalista, dá pra rir de tudo, inclusive da escolha pela profissão. Irré- ré!!
E, ainda por cima, há os jornalistas que investem mal o seu salário.
Vejamos o exemplo de F. Braga.
Chargista, cearense radicalizado no Acre, outro dia fez piada com a pisa que levou no Canal da Maternidade.
Lugar em que se desfila com toda a pompa e circunstância que o acreano merece, o Canal é símbolo de status. Afinal, ali se estaciona a picape, se desfilam os tênis e moletons chiques no úrtimo. E, pasmem!, desfilam-se as ....pochetes.
Não se recomenda, mas elas passeiam faceiras, debaixo do bucho caído de...jornalista.
Pelo menos desfilavam até semana passada, quando F. Braga foi açoitado, diz-se- que, por um par de catrepeiros. Diz-se- que porque há controvérsia, infame, por sinal, de que Braguinha teria sido, na verdade, sabugado pelo dono do boteco onde bebe fiado. Mas eu não vou espalhar uma notícia dessas, sem prova!
Fagueiro como as tardes na Gameleira, o dito cujo adentrou aos escaninhos do Canal portando uma...(Vôte!)... pochete, quando os meliantes o abordaram: - Passa o redondo! Disseram, levando de cara o relógio Seiko da vítima. A pochete foi de troco. Braguinha lutou pra não entregar o Seiko, por isso lhe sobreveio a surra.
Braguinha saiu do Rio de Janeiro pra ser assaltado e açoitado no Canal da Maternidade, o que me faz pensar em como deve ser difícil morar numa cidade tão violenta, onde uma pessoa não tem direito a...andar de pochete.
Não se deveria brincar com as questões de gênero, mas Braguinha, segundo o Diretor do Página 20, Elson Dantas, deixou os marginais cheios de mondrongos pelo corpo, tacando, primeiro, o queixo na mão de um, depois a cabeça no pé de outro, e azunhou a ambos.
A ocorrência foi registrada num B.O singular: " a vítima, portando uma pochete à altura do imbigo etc".
Braguinha engoliu o chiclete, perdeu a pochete, o caso saiu na Internet e ele ainda recebeu um aviso da bandidagem: - Te mete!
Na minha terra cabra macho usa jamaxí, caçuá, bisaco, bornal. Pochete? Sei não,hein...

ANTÔNIO KLEMER é jornalista e prezepeiro

Vote sem medo

Eles vêm em rumas

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Oposição

Eles voltaram!

Não tem jeito. Eles estão de volta. A cada dois anos de silêncio e total anonimato, eles reaparecem para tomar parte da sua programação no rádio e na tv, te abraçar em praça pública, te chamar de lindo e dizer que, se depender deles, todos os seus problemas acabaram. Com vocês, mais uma vez os candidatos! Aja saco!

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Sete anos no Créu!

A ex-refém das Farc, Ingrid Betancourt declarou em entrevista ao jornal colombiano El Tiempo que ouvia rádios brasileiras durante cativeiro na selva amazônica. É muita tortura né, não? Sete anos escutando o Calypso da Joelma e o Bonde do Créu, sem falar na Voz do Brasil?! Argh! Fonte Época

quinta-feira, 10 de julho de 2008

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Tudo por dinheiro

O secretário estadual de Comunicação Jorge Henrique Bezerra Nogueira de Queiroz e o cineasta Maurice Capovilla viveram momentos de pânico no final da tarde de ontem no centro de Rio Branco, quando entraram numa casa lotérica para tentar a sorte no prêmio acumulado de R$ 23 milhões da Mega-Sena.

Jorge Henrique contou que "demorou a cair a ficha" quando os dois menores anunciaram o assalto.
- Deu um branco total. Eles aparentavam estar muito drogados e eu só consegui começar a rezar quando sairam.
Quando o secretário decidiu entrar na casa lotérica, ouviu do cineasta que este já estava com 72 anos e nunca fora sorteado em nada. Após o pânico, Capovilla telefonou para saber como estava o amigo Jorge Henrique.
- Estou bem, Capô, mas você, além de não ter sorte, é pé-frio - respondeu. Leia mais

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Bem vindo à selva

Violência contra índios isolados
Os índios isolados da fronteira Brasil-Peru estão sendo vítimas de madeireiros ilegais que incendeiam suas malocas, os perseguem, capturam e assassinam. Leia mais